13/06/2018

Guia da Copa do Mundo para o torcedor do Liverpool

É amanhã! Enfim estamos no clima da Copa do Mundo e é hora de olharmos mais de perto os jogadores do Liverpool em ação no torneio, quem eles enfrentarão e quais serão as suas chances.
Sem mais delongas, seguem os grupos:


GRUPO A
URUGUAI | EGITO | RÚSSIA | ARÁBIA SAUDITA
Interesse do torcedor do Liverpool: Mohamed Salah - Egito
Espera-se que Mohamed Salah esteja apto para a estreia do Egito, o que dá a seleção esperança para avançar no grupo considerado o mais fraco desta Copa do Mundo. O Uruguai, graças ao ex-atacante do Liverpool Luis Suarez é o favoritos, mas está vivendo um passado mais brilhante que o presente - sua aparição na Copa do Mundo de 2010 e o triunfo da Copa América em 2011 foram pontos altos que eles já não conseguem mais reviver.
Rússia e Egito deveriam terminar em terceiro lugar na maioria dos outros grupos - e a Rússia, se não fosse anfitriã, teria encontrado muita dificuldade para classificar. O embate pela segunda posição provavelmente ficará entre Russia e Egito e os africanos apostam tudo, assim como nós torcedores do Liverpool que Salah será um dos destaques do mundial. Qualquer um dos três, Uruguai, Egito ou Rússia podem vencer o Grupo A, não será nenhuma surpresa a não ser que a Arábia Saudita apronte uma das maiores zebras da história.

GRUPO D
ARGENTINA | CROÁCIA | NIGÉRIA | ISLÂNDIA
Importante: Dejan Lovren - Croácia
Um dos grupos mais fortes do torneio, o Grupo D desperta o interesse do torcedor do Liverpool por parte da Croácia, que bateu a Grécia no jogo de classificação para chegar à Rússia. A Croácia brigará com a Nigéria pela segunda vaga e ambos os países acreditam que podem se classificar para as eliminatórias.
Enquanto isso, a Argentina será a favorita, mas por trás dessa superpotência do futebol há um ponto fraco - eles tiveram uma campanha de classificação instável e fizeram apresentações nada impressionantes no último ano;porém o talento ainda está lá, Lionel Messi.
A Islândia no outro extremo do grupo, é considerada a seleção underdog apesar de apresentar um futebol convincente e terá uma das maiores torcidas no torneio depois de encantar o mundo do futebol na Euro em 2016 com as comemorações vikings após os jogos.

GRUPO E
BRASIL | SÉRVIA | SUÍÇA | COSTA RICA
Olho neles: Roberto Firmino - Brazil | Marko Grujic - Sérvia
Os torcedores do Liverpool esperam que Roberto Firmino receba a recompensa por seu trabalho durante toda a temporada passada, A seleção brasileira é a favorita para vencer a Copa do mundo e espera-se uma excelente participação de Roberto Firmino apesar de ainda não ter conquistado a vaga de titular.
Correndo por fora no grupo as outras três seleções disputarão a segunda posição. A Sérvia - que conta com Marko Gujic no plantel - é um forte oponente e chega com a confiança nas alturas após ter vencido seu grupo nas eliminatórias da Uefa contra Irlanda, País de Gales e Áustria. A Suíça de Xherdan Shaqiri por sua vez, empatou em pontos com Portugal no seu grupo e jogou a repescagem devido ao saldo de gols. A Costa Rica também será um adversário forte - provavelmente mais difícil do que a Islândia no Grupo D -, mas eles simplesmente não são tão bons quanto seus oponentes da Europa e da América do Sul.

GRUPO G
INGLATERRA | TUNÍSIA | BÉLGICA | PANAMÁ
O grupo com mais jogadores do Liverpool: Jordan Henderson e Trent Alexander-Arnold - Inglaterra | Simon Mignolet - Bélgica
Inglaterra: Com Jordan Henderson apto para jogar e Trent Alexander-Arnold provavelmente no banco, a seleção inglesa é a mais forte do grupo e favorita a avançar com a primeira vaga para as oitavas. Mesmo que não ganhe todos os jogos, a Inglaterra pode realmente exceder as expectativas desta vez, em vez de ficar devendo. No outro extremo, o Panamá é indiscutivelmente um dos piores times nessa edição da Copa do Mundo.
Entre Tunísia e a Bélgica - que terá Simon Mignolet no banco - A Bélgica tem sido aquele time que deveria ser muito bom mas nunnca consegue chegar e a Tunísia, por outro lado se classificou de forma invicta nas eliminatórias e pode surpreender muita gente.

GRUPO H
SENEGAL | POLÔNIA | COLÔMBIA | JAPÃO
Interesse no meu jogador favorito do Liverpool: Sadio Mané - Senegal
O que nos leva ao Grupo H, é a semelhança com o Grupo A - três países que podem vencer o grupo e não ser nenhuma surpresa.
Senegal, parecia mais impressionante nas eliminatórias, e embora eles nem sempre mostrem um bom futebol, neste estágio e contra esses adversários eles contarão com a estrela estrela do Liverpool, Sadio Mané na busca pelo primeiro lugar. A Colômbia, enquanto isso, foi um pouco confusa nas eliminatórias e não é tão encantadora como na edição passada do mundial. Isso abre oportunidade para a Polônia, que foi uma equipe sólida nas eliminatórias. Mas como foi comentado, não seria um grande choque ver qualquer uma dessas três seleções vencendo o grupo ou ficando de fora junto com o Japão, que convenhamos é o time mais fraco no grupo.


Compartilhar:

30/05/2018

Atualizando a situação de Mohamed Salah.

Salah está na Espanha para tentar se recuperar antes da Copa do Mundo.

Em meio as constantes notícias da contratação de Fabinho, a situação da lesão de Mohamed Salah tem ficado um pouco fora do radar. Durante a semana o egípcio viajou para a Espanha para um tratamento, na tentativa de ficar disponível para o mundial. Juntamente com o jogador, os médicos do Liverpool e membros da equipe médica da seleção do Egito viajaram para acompanhar todo o processo.


Em entrevista, o fisioterapeuta Ruben Pons, do Liverpool, admitiu que o tempo de recuperação de Salah pode ser de três a quatro semanas, o que o faria perder toda a fase de grupos do torneio. O objetivo do tratamento é tentar deixá-lo apto em um período de tempo menor que o previsto, mas parece provável que Salah perca pelo menos o jogo de abertura contra o Uruguai.

"Quando soubemos da lesão, planejamos o tratamento", disse Pons. “Ele está triste com o que aconteceu, mas está totalmente focado na recuperação e torcendo para voltar o mais rápido possível. O tempo de recuperação, em princípio será de três a quatro semanas, mas vamos tentar reduzir este prazo, esse é o grande objetivo ”.

Em relação ao momento em que a lesão aconteceu - uma lembrança que será apagada da memória da maioria dos toecedores - Pons explicou: “Sabíamos que era algo sério assim que ele caiu no chão; Ele nunca se queixa e nós sentimos medo do pior. Estávamos em campo até o intervalo, fiquei arrasado, tentei transmitir calma, disse a ele que nada poderia ser feito e que ele não se preocupasse muito, era hora apenas de procurar soluções e não de ficar lamentando pelas coisas que deram errado."

O que nos resta é apenas cruzar os dedos e torcer para ouvir notícias positivas vindas da Espanha nos próximos dias.
Compartilhar:

27/05/2018

Pesadelo em Kiev. Numa noite em que tudo deu errado para os Reds, Liverpool perde e Real Madrid conquista a Liga dos Campeões da Europa.


A noite de ontem para os torcedores do Liverpool (e por que não do bom futebol também?) pode ser resumida em uma única palavra, pesadelo. Basta uma pesquisa na internet ou mesmo recorrer a um dicionário manualmente e veremos resumidamente que o significado do termo pode ser entendido como um sonho que provoca sensações ruins, ou resumindo, um sonho às avessas. Foi o que aconteceu ontem para o lado vermelho do confronto. 

A partida teve início com os comandados de Jurgen Klopp pondo em prática a pressão alta tão característica desse time e que deixou o Real Madrid incomodado e atordoado com tal situação. O Liverpool era melhor no jogo, mesmo que não houvesse criado uma oportunidade clara de gol ainda. Mas ao encurralar os madridistas parecia que o gol dos Reds estava amadurecendo. Estávamos diante de um cenário ideal para os planos de Klopp. O que não estava na conta certamente foi o golpe de judô de Sérgio Ramos aplicado em Salah ao prender seu braço em disputa de bola e levá-lo ao chão aos 31 minutos da primeira etapa. Na queda, o peso do espanhol, junto com o do egípcio, aliado ao impacto sobre o gramado fez com que Salah machucasse o ombro e não tivesse mais condições de jogo (infelizmente, muito possivelmente até fora da Copa). A saída do jogador aos prantos tenho certeza que emocionou o mundo inteiro. Lallana, recuperado de lesão, substituiu o egípcio. A partir daí a partida ganharia contornos totalmente diferentes. De início, o Liverpool sofreu um baque (qual time não sofreria nas mesmas circunstâncias?), o time se desestabilizou e o Real Madrid passou a dominar as ações e assim terminou o primeiro tempo.

Na volta do intervalo, os Reds retornaram mais equilibrados, parecendo recuperados do baque sofrido pela perda do seu artilheiro da temporada. Mas, mais uma vez, quando tudo parecia estar voltando aos trilhos, algo inesperado aconteceu, bastante inusitado diga-se de passagem. Numa infelicidade enorme aos 51 minutos, o goleiro Karius na saída de bola acabou jogando a bola próxima à Benzema, o atacante francês apenas teve o trabalho de esticar a perna e ver a bola caminhar lentamente para o gol. Mais um duro golpe à ser assimilado. E o time demonstrou maturidade, pois não se abateu e foi em busca do empate. E ele veio apenas 4 minutos depois. Após cobrança de escanteio Lovren desviou de cabeça e Mané completou para as redes. O Liverpool dava sinais de bravura e o Real sentindo o golpe tratou de mudar, aos 60 minutos, Isco deu lugar à Gareth Bale. O galês seria o responsável por transformar a partida. Três minutos em campo bastaram para isso. Depois de receber cruzamento de Marcelo pela esquerda o atacante acertou linda bicicleta para colocar o Real Madrid de novo na frente. 

Mas o Liverpool não desistia e aos 69 minutos Mané fez boa jogada pela direita e viu seu chute caprichosamente beliscar a trave do goleiro Navas. Apesar da bravura, alguns jogadores do Liverpool aparentavam extenuados em campo, caso do inglês James Milner que acabou sendo substituído por Emre Cam que também regressava de lesão. Assim, a partida se encaminhava para terminar dessa forma até que em chute de fora da área de Bale, Karius mais uma vez foi mal, tentou segurar a bola, mas não conseguiu e o Real Madrid chegou ao terceiro gol e acabou liquidando a fatura.

Um triste fim para uma jornada fantástica do time e isso inclui nosso goleiro também que não mereciam encerrar a Liga dos Campeões dessa maneira. Perder faz parte do jogo, mas do jeito como foi dói, machuca e muito. O que nos consola é ver a maturidade com que os jogadores encararam o Real Madrid (agora tricampeões de forma consecutiva da Champions). Que partida fez nossa dupla de zaga ao anular Benzema e Cristiano Ronaldo. Como jogaram os laterais, Robertson e sobretudo, Arnold (levando em conta que é seu primeiro ano no profissional). E ainda, como Mané chamou a responsabilidade após a saída de Salah. O que nos conforta é saber que estamos no caminho certo. Ajustes serão necessários, mas é preciso reconhecer que o trabalho está sendo muito bem feito. Pesadelos como estes são atípicos e não apagam o brilho da temporada que vimos esse time produzir. 

Contudo, pesadelos costumam terminar no momento em que acordamos. E ao acordar hoje, tenho certeza que todos os torcedores se sentem orgulhosos do time. Elevamos o nível nessa temporada, mesmo sem o título (estou falando de desempenho em campo). Hora de levantar, seguir caminho, melhorar o plantel e buscar nosso objetivo, disputar e por que não buscar o título inglês da próxima temporada. Nós somos Liverpool, não deixaremos nosso time se abater. Nosso apoio incondicional a todos os nossos atletas, pois somos o clube no qual ninguém nunca caminhará sozinho. Um abraço e que venha agosto. YNWA!

Compartilhar:

25/05/2018

FINAL DA UCL: Liverpool x Real Madrid



ESTÁDIO - NSC Olimpiyskiy Stadium, Kiev

ÁRBITRO - Milorad Mazic (Sérvia)

DATA E HORA - 26/05, Sábado, às 15:45 (BSB)

TRANSMISSÃO - Rede Globo e Esporte Interativo

-------------------------------------------------------------------------------------------------

INTRODUÇÃO

Uma coisa tem que ser dita: quem diria?

Não é qualquer um que poderia imaginar o time do Liverpool que começou 2017-18 na final dessa edição da Champions League. Claro, o trabalho do Klopp estava começando a se consolidar. Sim, Firmino e Mané estavam em ótima fase e Coutinho vinha sendo o jogador world class que é (e sua ida à Barcelona tinha sido adiada). Mas a final da Champions? No lugar de Barcelona, Bayern, Juventus e o tão hypado PSG de Neymar? Arrisco dizer que não passava de um delírio otimista em agosto de 2017.

Mas esse time mostrou a que veio. O trabalho de Klopp floresceu, resultando num time que pratica o futebol mais intenso da Europa. Mohamed Salah, altamente contestado em julho do ano passado, fez a temporada de sua vida. Bateu o recorde de gols de um jogador numa edição da Premier League e foi peça essencial para que o Liverpool trilhasse o caminho até Kiev, sendo cogitado até mesmo para disputar a Bola de Ouro. O trio formado pelo egípcio, Firmino e Mané virou sensação no mundo inteiro, podendo ser considerado um dos melhores trios de ataque em atuação atualmente. 

Vencemos o Hoffenheim na pré-Champions com gol de falta do Alexander-Arnold. Passamos pela fase de grupos contando duas partidas em que fizemos sete gols. Destroçamos o Porto no Estádio do Dragão. Demos um baile no time que joga o "melhor futebol da Europa" e levou a Premier League com recorde de pontos. Abrimos 5-0 em casa contra a Roma, que tinha acabado de eliminar o Barcelona. Mesmo depois do sufoco na Itália, estamos aqui. Sim, estamos na véspera de um final de Liga dos Campeões novamente.

Esses jogos não estão aí todos os anos. Talvez para o Real Madrid eles venham, mas para outros clubes, clubes ingleses em particular, eles não estão sempre aí. Temos que aproveitar essa oportunidade e dar tudo de nós mesmos - jogadores, comissão técnica e torcedores. 

É a primeira final de Champions do Liverpool desde 2007. Nessa noite, os Reds perderam do Milan, time do qual tinham vencido dois anos atrás, naquela noite em Istambul. Rafa Benítez continuou trabalhando para que o time inglês continuasse brigando na elite europeia, mas tudo piorou em 2010, quando vivemos alguns anos bem complicados (lembram de Roy Hodgson?). 

Brendan Rodgers conseguiu levar o clube de volta à Liga dos Campeões em 2014-15, mas não parecia que pertencíamos àquela competição. Suárez tinha saído e sido substituído por Rickie Lambert e Mario Balotelli. Gerrard estava cada vez mais velho. Naquela temporada, o Real Madrid caiu no time do Liverpool. Ganhou por 3-0 em Anfield por 1-0 no Bernabeu. Naquele tempo, o gap de qualidade era enorme. 

Mas as coisas mudaram. Agora o Liverpool está merecidamente na final da Champions League depois de jogar por uma temporada um futebol invejável. O Real vai vir para cima, mas nós também iremos. Vão ter gols. Vários gols. Vai ser o maior jogo das carreiras de alguns jogadores dos Reds e, talvez, o maior jogo que esses jogadores jogarão em suas vidas. E vai, com certeza, ser uma daquelas partidas que engrandecem não só os jogadores, torcedores e espectadores, mas também o próprio esporte.

O que quer que aconteça em Kiev, o Liverpool me fez um torcedor muito orgulhoso nessa temporada. Temos o técnico que todos querem. Não por que ele é legal ou simpático, mas por causa de sua vontade de se adaptar e aprender sobre o jogo todos os dias e seu incrivelmente subestimado know-how tático. Estamos jogando o futebol que a grande maioria dos clubes gostaria de estar jogando. Temos um dos melhores trios de ataque da Europa e uma das equipes mais jovens da Inglaterra. Está tudo certo. Está tudo ótimo. Bebam, se divirtam e comemorem. Aproveitem cada segundo. É a final da Champions League. E nós estamos ali. Nós merecemos estar ali. Allez, Allez, Allez.

"Pressão é trabalhar nas minas. Pressão é não ter trabalho. Pressão é tentar escapar do rebaixamento ganhando 50 'shillings' por semana. Pressão não é a Liga dos Campeões, ou o campeonato inglês, ou a final da copa. Esse é o prêmio" - Bill Shankly.

----------------------------------------------------------------------


FORMA

REAL MADRID

O Real Madrid só conseguiu um clean sheet em seus últimos cinco jogos, tendo concedido nove gols. Eles marcaram 14 gols nesse meio-tempo, 6 deles tendo sido na vitória contra o Celta de Vigo. Perderam por 3-2 do Sevilla e empataram por 2-2 em três deses jogos - contra o Bayern (no jogo de volta da semi-final), contra o Barcelona e contra o Villarreal.
O clube terminou a liga espanhola em terceiro lugar, atrás do Barcelona e do Atlético de Madrid. Na Copa do Rei, o Real foi eliminado pelo Leganés num agregado de 2-2, pelo critério de gol qualificado.

LIVERPOOL

A forma do Liverpool teve uma pequena decaída no final da temporada. O time sofreu com lesões e, como consequência delas, com o cansaço, especialmente no meio-campo. Os empates contra West Brom e Stoke City, além da derrota para o Chelsea, mostraram isso.  
Mas, ao fim dos compromissos, o lugar no G4 foi alcançado e o time, independentemente do resultado da final, estará na próxima Liga dos Campeões. Os nossos titulares vêm se recuperando e descansando bem desde a boa vitória contra o Brighton em Anfield. Creio que entraremos em campo tranquilos no sábado.

NOVIDADES DOS TIMES

REAL MADRID

O maior debate dentro do Madrid é se Bale estará ou não disponível para essa partida. Ele recuperou um pouco da forma nas ultimas semanas, mas é difícil que Zidane o utilize desde o começo no sábado. 

Creio que o francês irá com Benzema e Cristiano no ataque, apoiado por um meio campo que contará com Isco, Casemiro, Modric e Kroos. 

LIVERPOOL

Sejamos francos: o time do Liverpool não tem muito segredo. Com as lesões nesse final de temporada, ficou ainda mais fácil de prever os 11 titulares da final. Emre Can e Adam Lallana recuperaram alguma forma e o alemão até treinou no meio dessa semana, mas não vejo nenhum dos dois sendo titular em Kiev. Oxlade-Chamberlain está completamente fora de cogitação. Sendo assim, nosso meio-campo deve ter Henderson, Milner e Wijnaldum.
No ataque, o costumeiro: Firmino, Salah e Mané. Karius manterá a posição na meta do time inglês. Como Clyne não se mostrou entrosado depois de seu recente retorno, creio que Trent começará na lateral-direita (imagina a animação do menino). Assim, teremos Alexander-Arnold, Lovren, Van Dijk e Robertson completando a equipe.

PREVISÃO DOS TIMES

REAL MADRID: Navas; Carvajal, Varane, Ramos, Marcelo; Casemiro, Kroos, Modric, Isco; Ronaldo, Benzema. 



LIVERPOOL: Karius; Trent, Lovren, Van Dijk, Robertson; Henderson, Milner, Wijnaldum; Salah, Mané, Firmino.



ÚLTIMOS ENCONTROS

Como já mencionado, o Real estava no grupo do Liverpool na Champions de 2014/15. Ganharam por 3-0 em Anfield, com gols de Ronaldo e Benzema. No jogo da volta, Rodgers colocou em campo um time poupado, uma vez que já tinha desistido do futebol europeu naquela temporada. O Madrid ganhou a partida por 1-0. 

A última vitória dos Reds contra os gigantes espanhóis foi em 2009, quando o Liverpool de Rafa Benítez amassou o Real por um placar agregado de 5-0 na Champions daquele ano.

PREVISÃO DO JOGO

Liverpool 4 x 3 Real Madrid

Vamos falar sério: O Real Madrid é, muito possivelmente, o melhor time do mundo. Comparando friamente, tem jogadores melhores que os do Liverpool em quase todas as posições. E eles tem algo que falta muito à jovem equipe dos Reds: experiência. Em finais. Na final da Liga dos Campeões.

Mas isso quer dizer que é quase certa a derrota? Quer dizer que só um milagre levaria a taça para a Inglaterra? Eu não acredito nisso. O Liverpool está numa temporada mágica. Está munido de um dos melhores trios de ataque da Europa atualmente, e talvez o melhor de 2017-18. Quando a equipe está no dia certo e com a motivação certa, mostrou que pode bater qualquer time do mundo. São 90 minutos. O jogo pode ir para qualquer lado. Mas claro que eu, como bom torcedor, apostarei na nossa conquista e no nosso hexacampeonato.

Acredito que veremos vários gols. Levando em conta a eficiência do ataque inglês e o momento de Mo Salah, creio que os madridistas amargarão alguns tentos marcados. Da mesma forma, mesmo a defesa reformada do Liverpool com Van Dijk pode ser furada por Isco, Ronaldo e Benzema. O time que entrar melhor arrumado, mais focado e com mais vontade de vencer no sábado terá uma vantagem incomum - vantagem que, nessa partida, vale mais do que técnica e qualidade. 

Não precisamos de outro Milagre de Istambul. Precisamos do Liverpool dessa temporada. Isso é o bastante. 

No fim, que seja um ótimo jogo. Que coroe toda a temporada que o time fez e todo o trabalho que o Klopp desenvolveu. Se tem uma coisa que o Liverpool merece é essa taça. Falta 1 dia. Respira.


"We went to Hoffenheim and Maribor,

Moscow and Seville!

Then we went to Portugal and twated them 5-0!

Thousands went to Manchester, You'll Never Walk Alone!

Then we went to Vatican, taking over Rome!".


___

DICA: Se você, como eu, não aguenta mais a espera, confira também o podcast do Melwood Pub (@MelwoodPub no twitter) sobre Kiev! 

Compartilhar:

13/05/2018

Missão cumprida! Liverpool goleia o Brighton e estará na próxima edição da Liga dos Campeões.


Numa bela tarde ensolarada em Liverpool os Reds dominaram a partida de uma ponta a outra, marcaram 4 gols, coroando uma campanha impecável no campeonato e invicta em seu estádio, assegurando vaga pelo segundo ano seguido na próxima Champions League. Confronto ficou marcado também pelo recorde conquistado por Salah após se tornar o primeiro jogador na história da Premier League a atingir a marca dos 32 gols, superando nomes como Cristiano Ronaldo e Luis Suarez com 31 gols cada.

Precisando de apenas um ponto para cravar vaga na próxima edição da Liga dos Campeões da Europa os comandados de Jurgen Klopp sabiam que necessitavam estar concentrados para cumprir o objetivo que se almejava desde o início da temporada. Contando com a lesão de Milner no último jogo contra o Chelsea, o Liverpool veio com duas mudanças em relação ao último jogo, a volta de Henderson ao meio-campo e a entrada de Solanke entre os 11 titulares. E mais uma vez o que se viu foi um time se doando ao máximo, em que pese as pernas e mentes cansadas naturais de uma última partida de um campeonato tão disputado como é o inglês. 

Sendo assim, os Reds partiram para cima e só não marcaram antes dos 20 minutos porque tiveram dois pênaltis negados, um aos 8 minutos após o zagueiro Duffy interceptar um cruzamento com a mão e aos 17 quando o mesmo Duffy derrubou Salah na entrada da área. A primeira chance de perigo dos donos da casa ocorreu no minuto seguinte quando Solanke lançou Mané na cara do gol, porém o senegalês finalizou mal em cima do goleiro adversário. O gol estava próximo e ele veio aos 25 minutos da primeira etapa. Após bela trama entre Anrold e Solanke, este serviu Salah que rapidamente bateu colocado de perna esquerda para abrir o marcador. Um gol com a marca do egípcio, o seu 32º no campeonato. Um gol histórico por torna-lo o maior artilheiro em uma única edição da Premier League. Cinco minutos depois a incrível marca poderia ter sido aumentada caso Salah não tivesse desperdiçado duas vezes chance que Mané lhe serviu cara a cara com o goleiro.  Outra oportunidade criada ocorreu aos 34 minutos após linda jogada do quarteto de ataque. Salah serviu Solanke que deixou de calcanhar para Mané, porém Firmino atrapalhou o senegalês que estava melhor posicionado para finalizar e viu seu chute ir por cima do gol. O Liverpool não parava e chegou ao segundo gol cinco minutos depois após cruzamento de Robertson e belo cabeceio de Lovren. Assim terminou a etapa inicial.

Após o intervalo, já sabendo da derrota parcial do Chelsea para o Newcastle, os Reds foram administrando melhor o jogo, se poupando, mas mesmo assim construíram boas chances e marcaram ainda mais dois gols. O terceiro veio aos 52 minutos quando Salah aproveitou ótimo contra-ataque e passou para Solanke que disparou lindo arremate no ângulo e viu a bola morrer no fundo do gol. Merecido, pois este foi o primeiro tento marcado pelo jovem atacante no clube. Com o placar alcançado e o objetivo conquistado, faltando 10 minutos para o jogo encerrar Klopp substituiu o seu famoso trio de ataque, Mane, Salah e Firmino que deram lugar à Lalana, Woodburn e Ings. Mas ainda havia tempo para mais. Aos 84 minutos da segunda etapa Ings invertendo posição com Robertson cruzou da esquerda, a bola foi mal rebatida e sobrou limpa o lateral esquerdo do Liverpool fuzilar as redes, sacramentar a goleada e marcar seu primeiro gol pelo clube.  Assim terminou a partida, mas a festa estava apenas começando. 

Com o fim do campeonato, Salah recebeu mais uma premiação, dessa vez a Chuteira de Ouro do campeonato graças aos seus 32 gols marcados. Missão cumprida na competição, mas ainda nos resta o sonho da conquista do título da Liga dos Campeões no próximo dia 26 em Kiev contra o Real Madrid. Seja qual for o resultado parabéns ao time, técnico, diretoria e todos os envolvidos. E que o céu do entardecer do próximo dia 26 possa ser pintado de vermelho representando uma nação, a nação dos Reds. Rumo ao Hexa. YNWA!

Compartilhar:

11/05/2018

PRÉ JOGO: Liverpool vs Brighton.


PREMIER LEAGUE - 38ª Rodada | Liverpool F.C vs Brighton & Hove Albion.
Anfield Road - 13/05/2018 11:00 BSB
Ref. Kevin Friend - Assist.: Mark Scholes e Siam Massey-Ellis.


Foi uma longa caminhada, e aqui estamos finalizando os nossos pré jogos de Premier League na temporada 2017/18. De antemão agradecemos a todos vocês amigos, leitores e seguidores da Anfield Brasil por todo o apoio.
Neste domingo o Liverpool encerra as atividades pelo campeonato em casa contra o Brighton e a grande expectativa do jogo é que o time consiga confirmar a classificação para a próxima edição da UEFA Champions League.

Novidades dos times:

Adam Lallana pode estar disponível após ter se recuperado completamente de uma lesão no tendão sofrida em março.
Emre Can (costas) permanece de fora, Joe Gomez (tornozelo) também não será opção e no DM seguem também Alex Oxlade-Chamberlain (joelho) e Joel Matip (coxa).
O Brighton não tem problemas com lesões recentes, apenas Steve Sidwell (tornozelo) indisponível.

Curiosidades:

O Liverpool está invicto nos seus últimos 21 jogos pela Premier League em casa (16V e 5E).
Se o Liverpool não for derrotado, será a sétima vez que termina invicto em casa na história do campeonato, mais do que qualquer outro time.
Mohamed Salah ainda precisa de um gol para bater o recorde de mais gols em 38 jogos. No entanto, o egípcio não marcou em dois jogos consecutivos pela segunda vez nesta temporada.
Glenn Murray esteve diretamente envolvido em um gol em todas as suas três aparições de PL contra o Liverpool, marcando duas vezes e dando uma assistência.

Provável escalação:
Último jogo de campeonato, precisando de no mínimo um empate para segurar a vaga na Liga dos Campeões o Liverpool certamente irá com força máxima para enfrentar o Brighton.

4-4-3 : Karius - Alexander-Arnold, Lovren, Virgil, Robertson - Milner, Henderson, Wijnaldum - Mané, Salah, Firmino.

Briga pelo Top Four: 
A briga segue acirrada pela última vaga direta a competição continental via campeonato. Liverpool e Chelsea brigam diretamente e a situação que envolve as duas equipes é a seguinte.
Vitória do Liverpool: Top Four garantido e vaga na UCL.
Empate do Liverpool e vitória do Chelsea: Top Four garantido no saldo de gols pois ficam empatados em pontos.
Derrota do Liverpool e vitória do Chelsea: LFC fora da zona de classificação para a UCL.
Qualquer resultado que não seja vitória do Chelsea: LFC garantido no Top Four.



Nos sigam também no twitter para a cobertura das coletivas pré jogo e do tempo real das partidas do Liverpool: @AnfieldBR
Compartilhar:

06/05/2018

Liverpool sofre derrota para o Chelsea e vaga para a próxima Champions fica para a última rodada



No duelo entre Blues e Reds o treinador alemão chamou o embate de uma espécie de semifinal na coletiva antes do jogo. E realmente o confronto tinha tal significado, uma vez que um empate deixaria os visitantes muito próximos de uma das vagas para a próxima edição da Liga dos Campeões. E uma vitória garantiria tal conquista ao fim da rodada. Ao Chelsea (ainda com um jogo a menos a fazer) restava apenas uma vitória para continuar sonhando com a conquista de uma dessas vagas. 

Por isso mesmo, o que se viu foi uma primeira etapa disputada, com ambas as equipes criando boas oportunidades de gol. Uma dessas surgiu logo aos 5 minutos quando Firmino recebeu ótimo lançamento de Arnold e chutou para boa defesa de Coutouis. Dez minutos mais tarde, Arnold saiu jogando errado, os Blues recuperaram a bola e Alonso chutou de fora da área sem muito perigo para o goleiro Karius. Aos 20 minutos Salah recebe lançamento da direita, serve Clyne que cruza para Mané que finaliza mal. 

A partir de então o Liverpool era melhor na partida, tinha maior posse de bola e rondava mais a área do Chelsea. Aos 23 minutos Mané acertou belo arremate de fora da área, obrigando Courtouis a espalmar a bola para escanteio. Sete minutos depois, em rápido contra ataque, mais uma vez o senegalês arriscou e viu o goleiros dos Blues dar rebote para Firmino que cruzou de volta para Mané chutar bola dividida com Rudiger e causar mais uma vez perigo para Courtouis.  A resposta dos donos da casa veio logo em seguida através de cabeceio de Bakayoko após receber belo cruzamento de Moses. Em jogada semelhante, no minuto seguinte (31 minutos), o Chelsea conseguiu marcar. Giroud recebeu cruzamento de Moses, a bola teve leve desvio de Mané e se ofereceu limpa para o atacante francês de cabeça mandar para o fundo das redes do Liverpool. Isso foi o que de melhor ocorreu até o final do primeiro tempo.

Após o intervalo, com a liderança no placar o Chelsea voltou mais fechado e esperando matar o confronto num contra-ataque. O Liverpool retornou em busca de um gol que praticamente lhe assegurava a vaga na próxima Liga dos Campeões. Contudo, os Reds esbarravam na ótima marcação londrina que já não lhe proporcionava tantos espaços como na primeira etapa. Os comandados de Jurgen Klopp também sofriam para criar oportunidades e com Salah num dia nada inspirado não conseguia quebrar a linha de 5 homens montada no meio de campo pelo Chelsea. Buscando mudar tal situação o treinador alemão então recorreu às entradas de Henderson no lugar de Clyne e Solanke no lugar de Robertson e Moreno, já no fim do jogo, dando lugar a um Milner esgotado. Porém, o Liverpool não conseguiu criar nada que levasse muito perigo à meta dos Blues e o placar ao final do jogo permaneceu o mesmo. Agora, semana que vem, dia 13 de maio resta ao Liverpool vencer o Brighton em Anfield para cravar sua participação na próxima edição da Liga dos Campeões ou esperar por tropeços de Chelsea e Totenham... Melhor não contarmos com a sorte e fazermos a nossa parte. 

Compartilhar:

05/05/2018

Pré jogo: Chelsea vs Liverpool.

Premier League 37ª rodada | 06/05/18, Stanford Bridge.
12:30 BSB | ESPN Brasil. 


Chelsea e Liverpool, Conte e Klopp, um time com postura mais conservadora, que trabalha com a força defensiva, do outro lado a contra pressão e o poder ofensivo de alta intensidade. Aperitivos não faltam pra partida de amanha. 
Na história recente Chelsea e Liverpool se tornaram rivais devido aos grandes encontros em jogos de UEFA Champions League, e é por uma vaga na próxima edição do torneio continental que os times entrarão em campo amanhã. O Liverpool tem uma vantagem na tabela e ocupa a terceira posição, já os blues veem a possibilidade de buscar a quarta vaga que neste momento está com o Tottenham.

Novidades:
O Liverpool não tem novos jogadores no departamento médico, o clube segue apenas com Emre Can e Joe Gomez fora pelo restante da temporada. Os 11 iniciais devem ser os mesmos utilizados durante boa parte da temporada: 4-3-3
Com Karius - Arnold, Lovren, Virgil e Robertson - Milner, Henderson e Wijnaldum - Mané, Salah e Firmino.

Curiosidades: 
Nos últimos dois jogos de Premier League em Londres o Liverpool saiu vitorioso; O Chelsea não sofre três derrotas seguidas em casa para um mesmo time na PL desde o período de 93 a 96 quando foi derrotado pelo Blackburn Rovers.

Olho nele: 
Mo Salah. Mais um dos destaques do jogo o egípcio segue na busca pelo gol de numero 32 que o deixará isolado como maior goleador de a edição da Premier League. Salah pode alcançar o recorde justamente pelo seu ex clube aonde teve rapida passagem.


Compartilhar:

Liverpool Vintage: Kevin Keegan & King Kenny

Neste artigo iremos abordar aquela que foi uma das ‘’substituições’’ mais incríveis da história do futebol. Hoje, passados mais de 40 anos, podemos dizer que foi quase como trocar Cristiano Ronaldo por Lionel Messi. Repare, caro leitor, o título é quase uma conclusão daquilo que é a relação final entre torcedores do Liverpool e os dois gigantes camisas 7 dos anos 70 e 80.

Começando pelo primeiro, Kevin Keegan, o ‘’Mighty Mouse’’ (ou Mighty Mice, embora menos utilizado) chegou ao Liverpool sob ordem de Bill Shankly vindo do Scunthorpe da 4ª Divisão inglesa por £35,000. Shankly queria substituir o lendário, mas já veterano Ian Callaghan na ponta direita, que acabaria se centralizando no terreno jogando como meia. Obviamente que isto suscitava dúvidas nos críticos, uma vez que Shankly contratava um garoto de 20 anos vindo de 3 níveis inferiores e estando a dias de uma final da FA Cup contra o Arsenal. O Mighty Mouse tinha sido abordado por vários outros times, mas Shankly disse: ‘’nós estamos observando o garoto há 9 meses pelo mesmo homem que observou John Toshack. Ele é o nosso tipo de jogador.’’ Curiosamente, 4 anos antes, Ray Clemence tinha sido contratado também ao Scunthorpe.

Shankly sabia que tinha um talento em mãos, mas talvez não para breve. Porém, logo após um jogo-treino em Melwood, Keegan foi chamado para o primeiro jogo da temporada contra o Nottingham Forest, em Anfield. Só precisou de 12 minutos para marcar um gol. A verdade é que Keegan jogou sempre como titular durante os 6 anos que ficou no Liverpool, nunca tendo estado no banco de reservas.

Tudo foi brilhante, com alguns pontos baixos, mas sempre suprimidos pelo sucesso que Keegan tinha em campo. Rapidamente encantou todos os fãs do Kop que lhe apelidaram de Mighty Mouse devido à sua baixa estatura e velocidade com que galgava metros no campo. A sua qualidade no toque e visão de jogo deslumbravam qualquer um, aliando ainda a sua capacidade de disputar duelos aéreos mesmo sendo pequeno de tamanho.

No final da temporada 1975/76, já com Paisley no comando, Keegan estava interessado em experimentar novos projetos, mais concretamente na Alemanha Ocidental. Foi um choque, não só para os torcedores dos Reds, mas também para Inglaterra em geral. Não era comum jogadores britânicos se aventurarem no estrangeiro e terem sucesso. Um dos seus biógrafos, Bob Harris, relata que Kevin não era egoísta nem egocêntrico, apenas tinha a certeza daquilo que queria. ‘’Ele era muito próprio e original. Ele sabia o que queria fazer e como o iria fazer, lutando o máximo por isso,’’ disse Harris. Antes disso, Keegan já tinha sido abordado por outros clubes, mas a mais famosa veio mesmo do Real Madrid que tentou levá-lo por £700,000. Um valor muito alto para a época que o faria ser a maior transferência de um britânico na história do futebol. Só que já estava decidido, Keegan iria mesmo para o Hamburgo… 12 meses depois. Isso causou um certo desdém em muitos torcedores e em especial do Kop que questionavam a sua lealdade com o clube.

A temporada 1976/77 foi quase perfeita, pois o Liverpool chegou às finais das três competições mais importantes, mas acabou levantando ‘’apenas’’ duas. O artilheiro da liga acabou sendo Kevin Keegan e o próprio esteve no terceiro gol da final da Copa dos Campeões Europeus após uma brilhante arrancada partindo para cima dos adversários e só parado em falta dentro da área. Pênalti exímio cobrado por Phil Neal. Talvez não tenha sido tão brilhante como em outras temporadas em termos individuais, mas foi uma despedida digna do primeiro grande jogador de classe mundial que ostentava o liver bird no peito. A 3 de Junho de 1976 era oficialmente vendido ao Hamburgo e deixava uma grande lacuna no Liverpool.

Kevin Keegan foi realmente a grande estrela do Liverpool na década de 70, mas a forma como a sua partida decorreu foi fundamental para a relação entre os torcedores e o próprio. Essa ausência na memória dos torcedores dos kopites ficou ainda mais vincada quando chega o novo camisa 7…

Faltando um mês para o arranque da temporada 1977/78, Paisley necessitava de alguém para substituir Keegan. A 10 de Agosto, o Liverpool anuncia a contratação de Kenny Dalglish por £440,000 vindo do Celtic. O escocês até tinha uma proposta do Manchester United que oferecia mais dinheiro, mas acabou por preferir o Liverpool. Paisley já tinha contatado Jock Stein um ano antes, quando ouviu dizer que Kenny queria sair do Celtic. Porém, o treinador d’Os Bhoys negou. Ainda assim, ficou combinado entre os dois que Stein aceitaria a proposta um ano depois se ele não conseguisse convencer Dalglish a ficar em Glasgow. Obviamente que Stein ficou entristecido, mas cumpriu a sua promessa. É importante ressaltar que na altura os jogadores tinham pouca voz quando se tratava de negócios com outros clubes. Os donos/treinadores decidiam mais ou menos o futuro do jogador. Mais tarde a introdução dos empresários veio a mudar todo esse paradigma.

Kenny Dalglish tinha a mesma idade que Keegan, tendo menos de 1 mês de diferença entre ambos. Apesar de já ser considerado um grande jogador do futebol mundial, os críticos ainda receavam da sua capacidade de jogar na 1st Division, uma vez que a liga escocesa não tinha o mesmo grau de exigência que a de Inglaterra. Além de que não era qualquer um que podia assumir o papel de substituir Keegan.

Questionado sobre o que achava da nova contratação do Liverpool, Keegan respondeu: ‘’Kenny talvez possa vir a ser um melhor jogador para o Liverpool do que eu fui. O Liverpool contratou um jogador mais que pronto para me substituir. Não há nenhum risco em relação a isso. Dalglish é um jogador tão bom que iria assentar em qualquer lugar. Eu cheguei a pensar quem me poderia substituir e acabei escolhendo três jogadores: Trevor Francis, Mike Channon ou Dalglish. Channon foi para o Manchester City, então eu admito que o Liverpool fez o melhor que eles podiam para agradar os seus torcedores.’’

A vontade de Dalglish em querer jogar em Anfield foi o primeiro passo para o sucesso no clube. Ele sabia que este era o melhor clube da Europa e tinha vontade de o tornar melhor ainda. Depois de 3 dias da contratação acontecia o jogo contra o Manchester United para a Charity Shield (supercopa inglesa). Não correu mal para Kenny mesmo o encontro tendo terminado empatado a zeros. Os próximos quatros jogos foram a prova do calibre de Dalglish tendo marcado em todos os jogos.

A temporada 1977/78 chegava ao fim e Dalglish tinha uns notáveis 31 gols em 62 jogos para todas as competições sendo o grande artilheiro do time. De resto seria assim na temporada seguinte também. Retornado a 9 de Maio de 1978, o Liverpool acabaria perdendo o título para o Nottingham Forest e também sendo vice na Milk Cup (Copa da Liga). Restava a final da Copa dos Campeões Europeus onde iria enfrentar o Club Brugge da Bélgica. Era a última oportunidade para Dalglish poder demonstrar o porquê de ter sido contratado por um valor tão alto. Acabou sendo ele a grande estrela daquela final em Wembley. Um passe desconcertante de Souness isolou Dalglish e este picou a bola por cima do goleiro fazendo o único gol do jogo que daria o bicampeonato Europeu aos Reds. A festa instalou-se num estádio onde o Liverpool estava habituado a estar devido às muitas finais que disputava. Mais uma vez foi o terreno talismã e Dalglish brilhou como nunca. ‘’We shall not be moved’’ ecoou a noite inteira pelas ruas de Inglaterra e o Liverpool tinha encontrado a sua nova grande estrela de classe mundial. O resto, vocês já sabem…

Bob Paisley acertou na escolha e contratou um grande jogador para repor outro grande jogador. O que ninguém sabia era que Dalglish seria uma estrela ainda maior para o clube. Na verdade, A Estrela. Tanto Shankly como Paisley afirmaram que Dalglish foi o maior e melhor jogador da história do Liverpool. Hoje, não restam dúvidas. É realmente a maior bandeira do clube. Não é à toa que o seu nome está num dos Stands do mítico estádio de Anfield.

A história é uma linha contínua que ao sofrer alterações definirá novos fins. Se Keegan não quisesse sair, dificilmente Dalglish jogaria no Liverpool e talvez hoje nunca tivéssemos ouvido falar do King Kenny. Muitos torcedores até hoje imaginam se Keegan e Dalglish tivessem jogado pelo Liverpool juntos. Até houve oportunidade disso acontecer mais tarde quando Keegan decidiu voltar a Inglaterra, mas acabou escolhendo o Southampton. Talvez hoje fôssemos mais vitoriosos do que já somos, mas a história também está bonita assim.

É difícil afirmar, mas talvez Keegan tenha sido melhor jogador em campo do que Dalglish, isto quando falamos de jogo jogado, técnica e talento individual. Prova disso são as suas Bolas de Ouro que Keegan conquistou e Kenny não. Claro, isso não retira em nada a qualidade de um dos melhores jogadores da história do futebol mundial como foi Dalglish. Não agride em nada aquilo que fez pelo clube. O grande embaixador do Liverpool que teve sucesso em todas as vertentes. É de impressionar frieza de Dalglish aliada à sua excepcional qualidade individual que levou o Liverpool aos maiores tempos de glória. Não podia ser qualquer um a chegar, cumprir e ser ainda maior e mais importante.

Já Keegan acaba caindo na memória dos melhores jogadores que vestiram a camisa do Liverpool, ficando mesmo atrás de nomes como Souness, Clemence, McDermott, Fowler, entre outros, segundo as pesquisas do ‘’Players Who Shook The Kop’’ (jogadores que chocaram o Kop). Não é questão de injustiça, no fundo todos eles contribuíram mais para o clube e tiveram uma história mais agradável com o clube do que Keegan. É mais uma questão de lealdade e apego com o jogador. Hoje temos exemplos recentes de Michael Owen, Fernando Torres ou até mesmo Philippe Coutinho que, mesmo tendo sido jogadores de classe mundial, acabam não tendo o carinho dos fãs. Não, Keegan não entrou nessa escala tão agressiva, mas entra o suficiente para ser deixado um pouco para traz. No fundo, isso é justificável e mancha significativamente o seu legado no clube. Por isso hoje apelidamos Dalglish de King Kenny e o King Kevin acabou ficando só Kevin Keegan (realmente chegou a ter o apelido de King Kevin na altura).

Não há preferências quando se trata de Dalgish, ele irá ganhar as graças contra qualquer jogador. É unânime. Seria um erro inconcebível afirmar que prefiro Keegan. Gosto bastante do Kevin, principalmente pela sua forma de estrela do Rock de ser, da sua confiança, do seu estilo, até do seu jogo. Contudo, fica na história do Liverpool e do mundo em geral: como substituir o melhor jogador da sua equipe com um maior.

Liverpool Vintage
Compartilhar:

03/05/2018

Bravo! Roma é valente, vence o jogo, mas o Liverpool está na final.

 
Foi uma noite histórica no Estádio Olímpico de Roma. Dois times lutaram até a exaustão por um sonho que seria chegar à final da competição. Após o jogo da semana anterior no qual o Liverpool saiu vencedor por 5 a 2, a Roma precisava de uma nova retomada como foi contra o Barcelona. Vencer por 3 gols de diferença parecia possível, mas missão mais difícil seria evitar de levar gols do melhor ataque da Liga dos Campeões da Europa. Se a Roma não havia levado gol dentro dos seus domínios, o Liverpool começou o duelo sendo único invicto e com a incrível marca de 44 gols. Era de se esperar uma grande noite.

O duelo começou e demorou apenas 9 minutos para os Reds serem o primeiro clube a marcar um gol na casa da Roma. Nainggolan saiu jogando errado, Firmino esperou a passagem de Mané e lançou na medida para o senegalês ajeitar e bater com categoria para abrir o placar. O tento não abalou os italianos que jogavam bem e continuaram impondo seu rítmo, abusando das bolas longas e forçando o jogo pelas costas de Arnold, que não viveu uma de suas melhores noites na sua pequena (porém promissora) carreira como jogador do Liverpool. Num desses cruzamentos, aos 15 minutos, Lovren afastou a bola, mas a viu rebater em Milner e morrer no fundo do gol de Karius, igualando o marcador. Onze minutos mais tarde, os comandados de Klopp voltaram a ficar à frente. Após cobrança de escanteio, Dzeko na disputa com V. Dijk acaba recuando a bola de cabeça, deixando Wijnaldum livre para cabecear para o gol. Quando o árbitro encerrou o primeiro tempo na Itália a missão da Roma para conseguir a vaga na final era ainda mais árdua.

Contudo, na volta da segunda etapa, o time italiano mostrou organização, espírito de jogo e uma dedicação digna e que dá gosto de ver em todos os seus torcedores. Todo esforço foi compensado com o empate aos 52 minutos quando El Sharawi recebeu lançamento pela esquerda e contou com a falha de Arnold para dominar a bola e bater para defesa de Karius. No rebote, Dzeko, muito bem posicionado, com frieza e alta precisão marcou seu oitavo gol na competição. O empate pareceu acordar o Liverpool que passou a controlar mais o jogo e não oferecer tantas jogadas para a Roma.

E a estratégia em administrar o resultado deu certo pelo menos até os 5 minutos finais. A Roma buscando uma reação que parecia improvável naquela altura trocou Florenzi por Under e colocou seu time ainda mais à frente. Klopp respondeu e tentou segurar o marcador, tirando Mané para a entrada de Klavan, visando suportar a pressão italiana. No entanto, aos 86 minutos Nainggolan apareceu livre na entrada da área e acertou um belo chute para virar o placar para a Roma. Sem desistir do sonho da classificação os italianos se lançaram ao ataque e conseguiram um pênalti (mal marcado) após cruzamento da direita e a bola tocar na mão de Klavan, que estava com os braços completamente juntos ao corpo num movimento natural. Nainggolan com raiva e categoria fez o quarto gol para o seu time. Porém, os acréscimos já estavam expirados e não restava tempo para mais nada.

Dessa vez, o sonho romano ficou pelo caminho, mas se a queda foi inevitável, seu torcedor tem a certeza que seu time caiu de pé. Se por um lado um sonho chegava ao fim, para os visitantes o sonho da conquista da Liga dos Campeões permanecia mais vivo do que nunca. O que Klopp conseguiu fazer até aqui já é histórico. Isso só foi possível graças à muito trabalho e a formação de um grupo forte, de mentalidade vencedora e que apesar dos brilhos individuais preza pelo coletivo, pois sabe que nunca caminharão sozinhos. E a última etapa dessa caminhada passa pelo confronto do dia 26 de maio em Kiev contra o Real Madrid na final da competição. Que vença o melhor! YNWA!
 
Raul Dantas.
Compartilhar:

01/05/2018

PRÉ-JOGO da UCL: Roma x Liverpool



ESTÁDIO - Olímpico de Roma

ÁRBITRO - Damir Skomina (ESL)

DATA E HORA - 02/05, quarta-feira, às 15:45 (BSB)

TRANSMISSÃO - Esporte Interativo

-------------------------------------------------------------------------------

FORMA

AS ROMA

A Roma conseguiu uma boa vitória sobre o Chievo em casa no último sábado. Estavam num dia de gols também, tendo ganhado por 4-1. Antes da derrota para os Reds na última terça-feira, tinham duas vitórias e um empate na conta. Os romanos são o terceiro colocado da Série A da Itália, empatados em pontos com a Lazio, mas muito atrás de Napoli e Juventus. Lutam, como nós, pelo seu espaço dentro da zona de classificação para a Champions League. Não é dúvida para ninguém que o time italiano vai ter a forte crença de que pode virar esse jogo como fez contra o Barcelona nas quartas-de-final, mas ainda acho que o time não vai conseguir bater o coletivo atual do Liverpool da mesma forma que foram derrotados no jogo de ida. 

LIVERPOOL FC

Os Reds estão conseguindo tropeças nessas últimas rodadas em sua busca pelo top-4 da Premier League. Apesar do jogo contra a Roma na semana passada, as últimas duas partidas pelo campeonato inglês foram um empate entregado no final contra o West Brom e um 0-0 contra o Stoke em Anfield. Claro que os jogadores estão com a cabeça nessas partidas das semi-finais, mas é importante não descansar durante a busca pela classificação para a próxima Champions. Essa semana vai ser essencial para o Liverpool, pois  pode acabar  tanto com a vaga na decisão desse ano quanto na próxima competição se ganhar da Roma e do Chelsea. Serão duas partidas dificílimas e fora de casa, mas esse time já mostrou que pode bater de frente com qualquer equipe da Europa. As noites europeias do Liverpool em 2018 têm sido brilhantes, e não espero nada menos do que isso amanhã. 

NOVIDADES DOS TIMES

AS ROMA

A Roma descansou Under, Strootman, Florenzi e Manolas durante a partida do final de semana. Eles provavelmente estarão de volta ao time titular na quarta-feira. Di Francesco tem que pensar um pouco em como vai montar o time italiano depois que sua formação com três zagueiros foi explorada pelo Liverpool na Inglaterra. Provavelmente voltarão ao 4-3-3 durante esse jogo. 

LIVERPOOL FC

O Liverpool realmente está se segurando às peças que tem sobrando nesse final de temporada. A perda de Ox-Chamberlain no jogo de ida foi um baque enorme para a equipe, pois o jovem inglês estava na melhor forma de sua carreira. Depois de alguns pequenos sustos de lesão em Henderson e Trent no jogo contra o Stoke, os Reds acabaram saindo praticamente sem mais traumas daquela partida. Matip, Lallana e Can ainda estão fora por causa de lesão. A única mudança no time provavelmente será a entrada de Wijnaldum para suprir a falta de Ox. 

PREVISÃO DOS TIMES

AS ROMA: Alisson; Florenzi, Fazio, Manolas, Kolarov; Strootman, De Rossi, Nainggolan; Under, Dzeko, Perotti. 



LIVERPOOL FC: Karius; Trent, Lovren, Van Dijk, Robertson; Henderson, Milner, Wijnaldum; Mané, Salah, Firmino.


ÚLTIMO ENCONTRO

A última partida entre os dois em Anfield foi um passeio de montanha-russa. A Roma trabalhou bem nos primeiros vinte minutos, mas depois disso os Reds simplesmente entraram em outro patamar e dominaram o jogo até os 35 do segundo tempo. Sete gols no total, 5 para o Liverpool, 2 para a Roma. Salah guardou dois e deu mais duas assistências - noite de gala para o egípcio e lei do ex funcionando a toda força.

PREVISÃO DO JOGO

ROMA 2 x 4 LIVERPOOL

A torcida italiana no estádio Olímpico pode valer um gol ou dois para o time da casa, mas eles são simplesmente inferiores ao time atual dos Reds. Ao se jogar para o ataque em busca dos gols que precisam, abrem espaço para a maior virtude de Jurgen Klopp e desse time do Liverpool: o contra-ataque. Os contra-ataques fulminantes de Mané, Salah e Firmino terão caminho aberto num time da Roma que precisa avançar e pressionar para tentar a classificação e, conhecendo esse trio, não vai ficar barato para o goleiro Alisson. Eu diria que Salah vai dar mais um gostinho do que perderam para os italianos. 

PALPITES DO ANFIELD BRASIL

Matheus (@theus1908): #ROM 2 - 1 #LIV

Maurício (@MauricioCola): #ROM 1 - 3 #LIV

Caio Marcos (@mcaio8): #ROM 1 - 2 #LIV

Celso (@celsogabaldi): #ROM 1 - 2 #LIV

Jaine (@jainesoliveira): #ROM 1 - 3 #LIV
Compartilhar:

28/04/2018

Ataque não funciona, arbitragem ignora pênalti e Liverpool só empata em casa

Em um dia em que os Reds criaram muitas chances, mas não foram eficientes como de costume, (18 finalizações e apenas duas no alvo), o time viu mais dois pontos escaparem pelo caminho. 

Bola desvia na mão de Pieters e arbitragem não marca nada
Com uma formação um pouco diferente, armado num 3 – 4 – 3, Jurgen Klopp fez algumas alterações pensando já no jogo da volta da próxima quarta-feira contra a Roma pela semifinal da Liga dos Campeões. Klavan, Gomes e V. Dijk formavam o trio de zaga, com Moreno e Arnold atuando como alas. O meio de campo, sem opções com as lesões de Cahmberlain e Can, se manteve o mesmo e no ataque, apesar de Salah e Firmino começarem jogando, Mané acabou sendo poupado e nem no banco de reservas esteve. Sendo assim, mais uma oportunidade dada à Danny Ings no setor.

Na primeira etapa os jogadores proporcionaram um bom futebol, com ambos os times criando boas chances de gol. Vale ressaltar que o Stoke, ameaçadíssimo de rebaixamento, precisava muito surpreender o Liverpool e sair com os três pontos de Anfield se quisessem sonhar ainda em permanecer na primeira divisão na próxima temporada. Já os Reds necessitavam da vitória que os deixariam cada vez mais perto da próxima edição da Champions League. Por isso, o início de jogo movimentado.

Logo aos 5 minutos, Salah recebeu ótimo lançamento de Henderson, porém o artilheiro do campeonato inglês pecou na finalização e perdeu chance incrível. Os visitantes chegaram com perigo aos 19 minutos após cruzamento da esquerda e cabeceio com perigo de Diouf. Resposta rápida do Liverpool que 1 minuto depois, mais uma vez o egípcio foi lançado no lado direito de ataque e deixou Arnold na cara do gol, contudo o lateral não dominou a bola como queria, o que fez com que seu chute saísse fraquinho para a defesa do goleiro Butland. Aos 33 minutos, Salah cobrou falta e viu a bola passar pelo lado de fora das redes. Sete minutos mais tarde, o Liverpool enfim conseguiu marcar com Danny Ings, todavia, o atacante estava levemente em posição irregular. Foi o que tivemos de melhor na partida e assim acabou a primeira etapa.

No segundo tempo, o duelo mudou de figura, o Stoke deixou de atacar e os Reds tinham muito mais dificuldade em criar lances de perigo (olha o Chamberlain fazendo falta aí). Há de se destacar a partidaça feita por Pieters, responsável por marcar Salah. O defensor esteve impecável durante todo o jogo. Percebendo a falta de criação, o treinador alemão tentou modificar o Liverpool com as entradas de Milner e Clyne aos 65 minutos do segundo tempo nos lugares de Ings e Arnold respectivamente.

Mesmo assim, o cenário da partida permaneceu o mesmo, restando ao Liverpool apenas a reclamação de pênalti não marcado aos 86 minutos após cruzamento bloqueado pelo braço de Pieters. Dois minutos depois os visitantes ainda poderiam ter marcado o seu gol caso Shawcross tivesse aproveitado melhor um cruzamento na área no qual Karius já estava batido no lance.

Não era dia do Liverpool e jogo terminou mesmo sem gols. Agora o time precisa de uma vitória faltando ainda 2 jogos na Premier League para garantir a vaga na próxima edição da Liga dos Campeões via Campeonato Inglês.

Raul Dantas.
Compartilhar:

25/04/2018

Atualização sobre lesão de Alex Oxlade-Chamberlain


O Liverpool FC pode confirmar que a temporada de Alex Oxlade-Chamberlain chegou ao fim tanto para o clube quanto para o país, devido a uma lesão sofrida no seu ligamento do joelho na partida desta terça-feira contra a Roma.

O meia foi obrigado a sair do campo de jogo aos 18 minutos na partida que resultou na vitória dos Reds por 5-2, após se lesionar em uma dividida com um jogador da Roma.

A extensão da lesão de Oxlade-Chamberlain significa que ele perderá o restante da temporada pelo Liverpool, ficando de fora também da fase final da Copa do Mundo, disputada na Rússia.

O jovem jogador de 24 anos foi avaliado pela equipe médica do clube em Melwood na quarta-feira de manhã e nenhum período de retorno foi determinado para jogador.

No entanto, Oxlade-Chamberlain irá agora iniciar seu programa de reabilitação para garantir que o jovem jogador retorne a forma o quanto antes e possa retornar a equipe na próxima temporada.


Informações do site oficial do clube
Compartilhar:

»

»

»

Curta o Anfield BR no Facebook

Acompanhe-nos no Twitter

» PARCEIRO

»

»